Meditação de resolução de problemas


No artigo da semana passada, escrevi sobre o porquê de termos medo e de nos preocupamos regularmente e também o que podemos fazer para reduzir estes sentimentos. Se ainda não leu esse artigo, pode lê-lo aqui. 
Neste artigo, gostaria de partilhar consigo uma técnica de meditação que desenvolvi e que pratico sempre que preciso de resolver um problema. Além da resolução de problemas, esta meditação também pode ajudar-nos a relaxar numa situação difícil. Vamos começar então a nossa meditação. Os três primeiros passos fazem parte de todos os tipos de meditação que tenho partilhado até agora :).

– tente encontrar uma hora e um lugar tranquilo onde sabe que não será incomodado durante pelo menos 30 a 60 minutos. A razão pela qual a duração desta meditação é maior do que as outras que tenho vindo a partilhar é que nesta meditação é mesmo importante passar tanto tempo quanto necessário nos diferentes passos. Às vezes podemos precisar de meditar durante 60 minutos.

– Use velas e incenso (opcional): a combinação destes dois elementos criará uma atmosfera calma e espiritual, uma vez que as velas acalmam os olhos e proporcionam uma iluminação suave e relaxante, e o incenso cria um aroma relaxante.

– Ouça música de meditação (opcional): pode usar qualquer tipo de música de meditação que gostar. Aqui estão algumas faixas que eu gosto de ouvir quando pratico esta meditação: Pilgrimage por Terry oldfield de Yoga harmony album ou O álbum Yoga music for mind, body & soul por Ron Allen.

– Respire profundamente 19 vezes. Ao expirar, imagine que todo o medo, stress e sentimentos negativos estão a sair do seu corpo.

– Deixe que todos os pensamentos e problemas que o incomodaram neste dia passem pela sua cabeça. Isto é diferente de outros tipos de meditação, onde não queremos pensar em nada. Deixe que todos os pensamentos passem sem os julgar. Olhe para eles apenas como um observador.

– Quando terminar o passo anterior, imagine uma luz de vela entre as sobrancelhas (onde os budistas e os indianos acreditam que o terceiro olho está localizado e é por isso que eles costumam desenhar um ponto vermelho aí, para atrair a sua atenção para esse sítio). Tente ver (na sua mente) a vela de forma muito vívida. Pode ser tão criativo quanto quiser, por exemplo pode ver a luz da vela a dançar com a música que está a ouvir, pode ver a vela a derreter-se, pode vê-la a partir da perspectiva de outra pessoa que está a olhar para si ou simplesmente veja a vela a partir do seu próprio interior. Faça isto durante cerca de 10 a 15 minutos.

– Depois, lembre-se de qual foi o maior problema que o incomodou e que veio à sua cabeça no início da meditação. Tente imaginar que este problema está a ser resolvido da melhor maneira possível. Não pense como foi resolvido, apenas imagine e acredite que foi resolvido da maneira que gostaria. Sinta-se como se realmente isso tivesse acontecido. Sinta a sensação de alegria e emoção que sentiria se isso realmente acontecesse. E seja grato por isso.

– Comece a pensar como tudo aconteceu, o que fez (na sua imaginação) que causou o problema e que este está a ser resolvido da maneira que imaginou. Quando acreditar que o problema que o incomodou está resolvido, vai começar a acreditar que o problema é possível de resolver. Ficará então menos negativo e terá menos medo, e começará a ampliar o seu horizonte e a ver as possibilidades. Se houver um problema que não pode mesmo ser resolvido, como algo que já aconteceu, por exemplo ter perdido algo ou alguém importante, apenas aceite a situação. Aceitar não significa que vai ser fácil. Quando enfrentamos um evento na vida que é muito difícil para nós e que surge de surpresa, a nossa primeira reação é choque, depois negação, depois tristeza e finalmente, aceitação. Geralmente passamos muito tempo na parte de negação e tristeza. Se pudéssemos acelerar este processo, poderíamos chegar à parte de aceitação mais rapidamente. Uma maneira de fazer isto é não negar os fatos. Vai ser muito difícil, mas ser realista é muito importante aqui. Para tornar a transição um pouco mais fácil, depois de termos à parte da tristeza, devemos tentar avançar o mais rapidamente possível para uma etapa seguinte em que tentamos olhar para o futuro e substituir o evento triste por um positivo. Por exemplo, imagine que chumbou num exame, neste último passo poderia pensar o que pode fazer agora para melhorar a situação atual. Continuar a chorar ou dizer “Eu não queria chumbar” não vai certamente ajudá-lo de nenhuma maneira. Pode, por exemplo, tirar férias e descansar (o que é positivo) e fazer este curso uma segunda vez. E poderá analisar a situação para descobrir o que correu mal de maneira a aprender o que deve fazer na próxima época de exames. Pode dizer: “sabem que mais? Até posso ter chumbado desta vez, mas na próxima época de exames ou no próximo ano, em vez de apenas 10 em 20, terei 17 ou até mesmo 20 “e apenas pense num bom plano de execução. Ou numa situação muito mais difícil, aquando da perda de um ente querido, é muito importante tirar algum tempo para o luto e depois então começar a pensar em coisas boas sobre a pessoa que perdeu e gostava. As boas lembranças que tem e o quanto ainda gosta dessa pessoa. Pense nas outras pessoas de quem gosta, que ainda estão consigo. Tente planear passar mais tempo com elas do que antes. Como nenhum de nós vive para sempre, tudo o que podemos fazer é apreciar-nos o máximo possível no momento presente. Eu sei que é muito difícil, mas não aceitar uma situação que não pode ser alterada só vai fazer com que sofra. Faça o seu melhor para aceitar a situação e seguir em frente. Às vezes (na minoria dos casos) a melhor solução é aceitar e render-se. Mas por favor note que isto diz respeito apenas a um problema ou situação estável e imutável.

– Quando se sentir preparado, comece a mover uma parte do seu corpo (dedo mindinho ou um dedo do pé) e volte lentamente à realidade tentando prestar atenção às informações sensoriais ao seu redor, como sons, cheiros ou qualquer outra coisa que possa estar a experienciar neste preciso momento. Abra então os olhos lentamente.

Espero que experimente esta meditação e que o ajude tanto como me tem ajudado a mim. Se gostou deste artigo, não se esqueça de o partilhar com os seus amigos e familiares.

Com amor,

Marjan

 

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *